Eclipse solar

Article

May 22, 2022

Um eclipse solar ocorre quando a Lua passa entre a Terra e o Sol, obscurecendo assim a visão da Terra do Sol, total ou parcialmente. Tal alinhamento coincide com uma lua nova, indicando que a Lua está mais próxima do plano da órbita da Terra. Em um eclipse total, o disco do Sol é totalmente obscurecido pela Lua. Em eclipses parciais e anulares, apenas parte do Sol é obscurecida. Se a Lua estivesse em uma órbita perfeitamente circular e no mesmo plano orbital da Terra, haveria eclipses solares totais a cada nova lua. Em vez disso, como a órbita da Lua está inclinada em cerca de 5 graus em relação à órbita da Terra, sua sombra geralmente não atinge a Terra. Os eclipses solares (e lunares), portanto, acontecem apenas durante as temporadas de eclipses, resultando em pelo menos dois e até cinco eclipses solares a cada ano, dos quais não mais do que dois podem ser totais. Os eclipses totais são mais raros porque exigem um alinhamento mais preciso entre os centros do Sol e da Lua e porque o tamanho aparente da Lua no céu às vezes é pequeno demais para cobrir totalmente o Sol. Os eclipses solares totais ocorrem raramente em um determinado local da Terra, em média a cada 360 a 410 anos. Um eclipse é um fenômeno natural. Em algumas culturas antigas e modernas, os eclipses solares eram atribuídos a causas sobrenaturais ou considerados maus presságios. As previsões dos astrônomos de eclipses começaram na China já no século 4 aC; eclipses de centenas de anos no futuro podem agora ser previstos com alta precisão. Olhar diretamente para o Sol pode causar danos permanentes nos olhos, portanto, proteção especial para os olhos ou técnicas de visão indireta são usadas ao observar um eclipse solar. Somente a fase total de um eclipse solar total é segura para visualização sem proteção. Entusiastas conhecidos como caçadores de eclipses ou umbrafilos viajam para locais remotos para ver eclipses solares.

Tipos

Existem quatro tipos de eclipses solares: Um eclipse total ocorre quando a silhueta escura da Lua obscurece completamente a luz intensamente brilhante do Sol, permitindo que a coroa solar muito mais fraca seja visível. Durante qualquer eclipse, a totalidade ocorre, na melhor das hipóteses, apenas em uma faixa estreita na superfície da Terra. Essa trilha estreita é chamada de caminho da totalidade. Um eclipse anular ocorre quando o Sol e a Lua estão exatamente alinhados com a Terra, mas o tamanho aparente da Lua é menor que o do Sol. Assim, o Sol aparece como um anel muito brilhante, ou anel, em torno do disco escuro da Lua. Um eclipse híbrido (também chamado de eclipse anular/total) alterna entre um eclipse total e um anular. Em certos pontos da superfície da Terra, aparece como um eclipse total, enquanto em outros pontos aparece como anular. Eclipses híbridos são comparativamente raros. Um eclipse parcial ocorre quando o Sol e a Lua não estão exatamente alinhados com a Terra e a Lua apenas obscurece parcialmente o Sol. Esse fenômeno geralmente pode ser visto de uma grande parte da Terra fora da trilha de um eclipse anular ou total. No entanto, alguns eclipses podem ser vistos apenas como um eclipse parcial, porque a umbra passa acima das regiões polares da Terra e nunca cruza a superfície da Terra. Eclipses parciais são praticamente imperceptíveis em termos de brilho do Sol, pois é preciso mais de 90% de cobertura para notar qualquer escurecimento. Mesmo com 99%, não seria mais escuro que o crepúsculo civil. A distância do Sol à Terra é cerca de 400 vezes a distância da Lua, e o diâmetro do Sol é cerca de 400 vezes o diâmetro da Lua. Como essas proporções são aproximadamente as mesmas, o Sol e a Lua vistos da Terra parecem ter aproximadamente o mesmo tamanho: cerca de 0,5 grau de arco em medida angular. o sol. Os tamanhos aparentes do Sol e da Lua, portanto, variam. A magnitude de um eclipse é a razão entre o tamanho aparente da Lua e o tamanho aparente do Sol durante um eclipse. Um eclipse que ocorre quando a Lua está perto de sua distância mais próxima da Terra (ou seja, perto de seu perigeu) pode ser um eclipse total b