Rodolfo Hernández Suárez

Article

July 3, 2022

Rodolfo Hernández Suárez (nascido em 26 de março de 1945) é um político colombiano, engenheiro civil e empresário que é senador eleito da Colômbia. Ele foi prefeito de Bucaramanga de 2016 até sua renúncia em 2019. Ele ficou em segundo lugar no primeiro turno da eleição presidencial colombiana de 2022 e acabou sendo derrotado por Gustavo Petro no segundo turno da eleição. Ele é o proprietário da empresa Constructora HG.

Biografia

Hernández nasceu em Piedecuesta, departamento de Santander, em 1945, e foi criado na vizinha Bucaramanga. Antes de sua entrada na política, ele era engenheiro civil desde 1971, após sua graduação na Universidade Nacional da Colômbia, e trabalhou na indústria da construção como empresário até a década de 1990 por meio de sua empresa HG Constructora, com foco principalmente em moradias populares em Bucaramanga e arredores, ganhando mais de US$ 100 milhões. Seu pai foi sequestrado e detido por 135 dias pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC-EP), e Juliana, um de seus quatro filhos, foi sequestrada e supostamente morta Exército de Libertação Nacional (ELN) em 2004, depois que ele se recusou a pagar o resgate, argumentando que colocaria o resto de sua família em maior risco de sequestro. Hernández entrou na política e foi primeiro membro do Partido Liberal Colombiano. Foi vereador de Piedecuesta de 1990 a 1992. Em 2011, financiou e fez campanha para Lucho Bohórquez, membro do Partido Liberal Colombiano, que acabou vencendo a eleição para prefeito de Bucaramanga. Hernández concorreu à prefeitura de Bucaramanga em 2015 , financiando sua própria campanha e vencendo a eleição para prefeito. Foi prefeito de Bucaramanga de 2016 a 2019. Como prefeito, tornou-se conhecido nacionalmente pelas transmissões semanais do Facebook em que respondia a perguntas dos cidadãos e por suas brigas públicas com vereadores que acusava de serem "ratos" ladrões. Ele também recebeu reconhecimento ao doar seu salário para estudantes de universidades públicas. Em diferentes ocasiões, ele se reuniu com líderes comunitários e líderes juvenis. Em 2018, ele foi suspenso por três meses por dar um tapa em um vereador. Em 2019, o Gabinete do Procurador-Geral o sancionou por suposta participação indevida na política enquanto ocupava o cargo de prefeito, à qual Hernández respondeu renunciando ao cargo. Durante seu mandato, ficou conhecido como ativista contra a corrupção e, quando deixou o cargo, tinha um índice de aprovação de 84%. Ele também enfrenta um processo judicial por supostas irregularidades na execução de um contrato de consultoria para implementar novas tecnologias de gestão de resíduos no aterro de El Carrasco, que teria incorrido como prefeito de Bucaramanga. Hernández já causou polêmica entre a comunidade de expatriados venezuelanos no país depois de afirmar que as mulheres venezuelanas eram muitas vezes "fábricas de bebês" que precisariam ser apoiadas pelo Estado. Ele também causou polêmica, quando disse, durante uma entrevista de 2016: "Sou seguidor de um grande pensador alemão, chamado Adolf Hitler". Mais tarde, ele se desculpou e disse que queria dizer Albert Einstein.

campanha presidencial de 2022

Hernández declarou sua candidatura em 2022 como independente, com Marelen Castillo como sua companheira de chapa. Ele terminou em segundo lugar no primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 com 28% dos votos, avançando para um segundo turno em 19 de junho de 2022, enfrentando Gustavo Petro. Após o primeiro turno, Hernández expressou gratidão a todos que votaram nele, dizendo; "Para aqueles que votaram em mim, eu digo agora, eu não vou falhar com você." Ele recebeu o apoio do candidato Federico Gutiérrez, terceiro colocado, para o segundo turno, pedindo aos eleitores que "mantenham Petro fora". Ele fez campanha contra a corrupção da classe política tradicional e destacou sua imagem como um empresário de sucesso que pode transformar a Colômbia . Ele prometeu "limpar" o país da corrupção. Ele também prometeu "grandes cortes orçamentários", eliminando o uso de aviões e helicópteros presidenciais