palestinos

Article

May 22, 2022

O povo palestino (árabe: الشعب الفلسطيني, Ash-sha'b al-Filasṭīnī), também referido como palestinos (árabe: الفلسطينينind, alaberminal (hebraga de الفīmin (hebraga: פָלַסְטִsلīīīīīīīīīīīīīīmin (الṭīmin), الفīmin (الṭīver, filasṭīniyūn; hebrago: פָלַסְטִsinīطīطīطīطīطīīminminininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininnininninin (hebragueidade פָלַסְטִsmin), filasmin (الṭīmin), الṭīmin (hebraga פָלַסְטִªnṭīmin, filasṭīniyūn; al-ʿarab), são um grupo etnonacional descendente de povos que habitaram a região da Palestina ao longo de milênios e que hoje são cultural e linguisticamente árabes. Apesar de várias guerras e êxodos (como o de 1948), cerca de metade da A população palestina continua a residir nos antigos territórios da Palestina Obrigatória, agora abrangendo a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e Israel. Nesta área combinada, em 2005, os palestinos constituíam 49% de todos os habitantes, abrangendo toda a população da Faixa de Gaza (1,865 milhão), a maioria da população da Cisjordânia (aproximadamente 2.785.000 contra cerca de 600.000 cidadãos israelenses judeus, que inclui cerca de 200.000 em Jerusalém Oriental) e quase 21% da população de Israel propriamente dita como cidadãos árabes de Israel. Muitos são refugiados palestinos ou palestinos deslocados internamente, incluindo mais de um milhão na Faixa de Gaza, cerca de 750.000 na Cisjordânia e cerca de 250.000 em Israel. Da população palestina que vive no exterior, conhecida como diáspora palestina, mais da metade é apátrida, sem cidadania em nenhum país. Entre 2,1 e 3,24 milhões da população da diáspora vivem como refugiados na vizinha Jordânia, mais de 1 milhão vive entre a Síria e o Líbano e cerca de 750.000 vivem na Arábia Saudita, com meio milhão do Chile representando a maior concentração fora do Oriente Médio. Cristãos e muçulmanos palestinos constituíam 90% da população da Palestina em 1919, pouco antes da terceira onda de imigração judaica sob a Autoridade Obrigatória Britânica pós-Primeira Guerra, oposição à qual estimulou a consolidação de uma identidade nacional unificada, fragmentada como era por , classe, diferenças religiosas e familiares. A história da identidade nacional palestina é uma questão controversa entre os estudiosos. "Palestino" foi usado para se referir ao conceito nacionalista de um povo palestino pelos árabes palestinos do final do século 19, embora de forma limitada até a Primeira Guerra Mundial. A dissolução do Império Otomano e a criação da Palestina obrigatória substituíram a cidadania otomana pela Palestina cidadania, solidificando uma identidade nacional. Após a criação do Estado de Israel, o êxodo de 1948 e mais ainda após o êxodo de 1967, o termo evoluiu para um sentido de futuro compartilhado na forma de aspirações por um estado palestino significativamente reduzido. A identidade palestina abrange a herança de todas as idades, desde os tempos bíblicos até o período otomano. Fundada em 1964, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) é uma organização guarda-chuva para grupos que representam o povo palestino perante estados internacionais. A Autoridade Nacional Palestina, oficialmente estabelecida em 1994 como resultado dos Acordos de Oslo, é um órgão administrativo provisório nominalmente responsável pela governança em centros populacionais palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Desde 1978, as Nações Unidas observam anualmente um Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino. De acordo com Perry Anderson, estima-se que metade da população nos territórios palestinos sejam refugiados e que tenham sofrido coletivamente cerca de US$ 300 bilhões em perdas de propriedade devido aos confiscos israelenses, a preços de 2008-09.

Etimologia

O topônimo grego Palaistínē (Παλαιστίνη), que é a origem do árabe Filasṭīn (فلسطين), ocorre pela primeira vez na obra do historiador grego do século V a.C. Heródoto, onde denota geralmente a terra costeira da Fenícia até o Egito. Heródoto também emprega o termo como etnônimo, como quando fala dos 'sírios da Palestina' ou