Eleição presidencial colombiana de 2022

Article

July 3, 2022

As eleições presidenciais foram realizadas na Colômbia em 29 de maio de 2022, com segundo turno em 19 de junho de 2022, pois nenhum candidato obteve pelo menos 50% no primeiro turno da votação. Iván Duque, que foi eleito presidente em 2018, não foi elegível para concorrer devido ao limite de mandatos. Gustavo Petro, senador e ex-prefeito de Bogotá, derrotou Rodolfo Hernández Suárez, ex-prefeito de Bucaramanga, no segundo turno. A vitória de Petro fez dele o primeiro candidato de esquerda a ser eleito presidente da Colômbia, e sua companheira de chapa, Francia Márquez, é a primeira afro-colombiana eleita para a vice-presidência, bem como a segunda vice-presidente geral. As eleições foram realizadas após os protestos colombianos de 2021 em meio a más condições econômicas durante a pandemia de COVID-19 do país. Petro, ex-integrante do AD/M-19 que foi derrotado por Duque por mais de dez pontos percentuais em 2018, foi escolhido como candidato da aliança Pacto Histórico pela Colômbia. A plataforma de esquerda do Petro abrangeu o apoio à reforma agrária, assistência médica universal, continuidade do processo de paz colombiano e expansão dos serviços sociais. políticas de pedidos e esforços anticorrupção. Hernández teve um aumento de apoio nas últimas semanas da campanha, o que lhe permitiu ultrapassar o candidato conservador Federico Gutiérrez por uma vaga no segundo turno. Esse aumento de popularidade foi parcialmente creditado aos seus substanciais seguidores nas redes sociais e aos vídeos do TikTok, que o levaram a ser apelidado de "rei do TikTok". Petro venceu o segundo turno com 50,44% dos votos contra 47,31% de Hernández. Petro dominou em regiões nas costas do Caribe e Pacífico da Colômbia, e recebeu mais de 81% dos votos no departamento costeiro de Chocó. Devido a uma maior participação entre seus apoiadores, Petro recebeu quase 2,7 milhões de votos a mais no segundo turno do que no primeiro. O resultado foi notado por uma tendência contínua de vitórias de esquerda na América Latina, que foi apelidada de "nova maré rosa".

Fundo

Durante a eleição anterior, realizada em 2018, ocorreu um segundo turno, pois nenhum candidato obteve 50% dos votos. Os dois principais candidatos foram o senador Iván Duque, do partido Centro Democrático, e o indicado ao Humane Colombia Gustavo Petro, ex-prefeito de Bogotá e ex-membro do AD/M-19. As questões da eleição incluíram o acordo de paz das FARC, corrupção, desemprego e saúde. Duque derrotou Petro por mais de dez pontos percentuais; no entanto, houve alegações subsequentes de fraude e irregularidades. Como vice-campeão, Petro tornou-se senador pelo Ato Legislativo nº 2 de 2015. Manifestações generalizadas contra as políticas do presidente Duque ocorreram do final de abril a dezembro de 2021. Em meio à pandemia de COVID-19 na Colômbia, que desferiu um golpe para a economia e em um momento em que as taxas de desemprego eram altas, Duque propôs um aumento de impostos. Além disso, um projeto de lei controverso foi proposto no Congresso que resultaria na privatização da saúde. A maioria dos protestos foi pacífica, com alguns casos de vandalismo. De acordo com grupos de direitos humanos, a polícia reagiu violentamente aos manifestantes em vários casos, levando a mortes e supostos casos de agressão sexual. Os protestos levaram à retirada dos projetos de reforma da saúde e da reforma tributária e à renúncia do ministro da Fazenda, Alberto Carrasquilla Barrera.

Sistema eleitoral

Os presidentes colombianos são eleitos para mandatos de quatro anos usando um sistema de dois turnos; se nenhum candidato obtiver a maioria dos votos no primeiro turno, um segundo turno é realizado entre os dois candidatos mais votados. O vice-presidente é eleito na mesma chapa que o presidente. Os presidentes são limitados a um único mandato de quatro anos e o artigo 191 da Constituição exige que os candidatos sejam colombianos de nascimento e tenham pelo menos trinta anos de idade. De acordo com a constituição, os cidadãos colombianos por nascimento ou por naturalização, com dezoito anos